XI FESTA DA SOLIDARIEDADE - MADEIRA

Machico acolheu a flama solidária com grande entusiasmo

E ao segundo dia, a Chama da Solidariedade visitou quase todo Machico, passando por Maroços, Ribeira de Machico, Porto da Cruz, Caniçal e ainda a cidade sede de concelho.
Manhã cedo, a tocha solidária chegou à Santa Casa da Misericórdia de Machico, instituição que organizou, em parceria com várias instituições locais, e coordenou a digressão pelo concelho da zona Este da ilha da Madeira.
Apesar de ser domingo foram muitas as pessoas das mais diversas instituições que se juntaram à festa, tendo a Chama sido recebida com grande entusiasmo em todos os locais previstos.
Da Misericórdia de Machico, a flama solidária rumou a Maroços, onde, junto ao Centro Social e Paroquial das Preces, um grupo de petizes da escola EB1/PE local e elementos do Grupo DMDC – De Mãos Dadas Contigo a receberam, tendo o facho solidário iluminado o final da eucaristia dominical, abrilhantada ainda por algumas canções alusivas ao momento pelo Grupo DMDC.
A caravana solidária seguiu, então, para a Ribeira de Machico, onde as crianças da EB1/PE/Creche de Santo António da Serra acolheram a Chama com grande entusiasmo, no largo da igreja, interpretando ainda algumas canções. Destaque para a música «Bicho de Pêssego», que alcançou o segundo lugar no festival «Vozes em Flor».
Da Ribeira de Machico, a Chama da Solidariedade prosseguiu para o Porto da Cruz. Junto ao lar de idosos da instituição Causa Social, o archote solidário era esperado por um vasto grupo de seniores, que celebraram o momento com o lançamento de balões brancos.
Aliás, o branco tem sido a cor da 10ª digressão da Chama da Solidariedade, que até ao dia 2 de junho percorrerá os demais concelhos da Região Autónoma da Madeira.
Depois foi tempo de descer até à beira-mar no Caniçal. Aí, a Chama teve uma das melhores receções até ao momento, com um numeroso grupo de crianças, também elas em tom alvo vestidas e de flor na mão, a saudarem a sua chegada.
No largo da Igreja Velha, os mais pequenos, alunos da EB1/PE/Creche, declamaram um poema alusivo à solidariedade e interpretaram duas canções que evocam alguns dos valores que norteiam o movimento solidário: o Hino da Solidariedade e ainda «Imagine», de John Lennon, tema que pode ser considerado um hino à paz. Foi um momento de grande participação, pois, para além dos petizes, muitos populares se juntaram à festa.
De regresso à sede de concelho, uma vasta massa humana reuniu-se no Jardim da Graça, rumando em desfile pedonal até ao Forte de Nossa Senhora do Amparo.
A encabeçar o desfile as entidades oficiais foram-se revezando no transporte da Chama da Solidariedade, acompanhados por grupos musicais, escuteiros e diversos representantes e utentes de IPSS e escolas da cidade.
Junto ao Forte foi tempo de discursos institucionais e de alguma pedagogia sobre o que é a solidariedade e o movimento solidário que tanta gente movimenta por todo o País.
Por fim, a flama solidária regressou o ponto de partida, a Misericórdia de Machico, onde ao final da tarde foi rezada uma missa em honra da Chama da Solidariedade.
Segunda-feira, mais dois concelhos serão tocados pela Chama que celebra o espírito solidário dos Portugueses.

 

Data de introdução: 2017-05-28



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....