HENRIQUE RODRIGUES

Arado ou fresa

1 - Acabei por estes dias a poda da vinha – mais tarde do que é costume, já que o tempo livre foi curto e muitos sábados (dia que dedico à lavoura), ao longo deste ano, desmentiram o ditado: “não há sábado sem sol, nem domingo sem missa”.
(Na verdade, nem uma coisa, nem outra: pouco sol aos sábados, pouca missa aos domingos.)
Os tempos estão difíceis para quem, como é o meu caso, tem esta ambição de juntar ao exercício diuturno e semanal da profissão uma espécie de vício benigno para o fim-de-semana, como é o caso da agricultura.
Como se sabe, nenhum lavrador que se preze deixa de produzir o seu próprio vinho, emblema maior do ciclo rural: desde o “erguer uma videira/como uma mãe que faz a trança à filha”, como bem anotou Miguel Torga, até ao momento misterioso em que o mosto, pela fermentação, se transmuda na bebida dos deuses.
Durante muitos anos, o ritual associado ao processo de feitura do vinho não tinha particulares dificuldades: plantação, condução, poda, tratamentos, vindima, adega.
Mas, desde o ano passado, o Governo resolveu dificultar os procedimentos, obrigando-me a possuir uma espécie de alvará para poder sulfatar as videiras, alvará só emitido após frequentar um curso de formação profissional a preceito, o mesmo se exigindo para a simples compra na cooperativa dos produtos para os tratamentos.
Assim, ao prejuízo que todos os anos suporto alegremente com este vício, resolveu o Governo agravar-me os custos e dificultar-me a vida com esta bizarria.
Presumo que sejam exigências europeias, que, no que respeita à agricultura, regulam minuciosamente todos os nossos passos, desde o calibre dos tomates à especialidade das castas, desde os produtos fito-sanitários aos limites de produção por hectare.
Ao contrário da generalidade dos lavradores, porém, não insisto com os meus amigos na ideia de que o vinho que produzo é o melhor do mundo – até porque não é, de facto.
Por tal razão, não deixo de, todos os anos, ir comprando, para conhecê-los e bebê-los, outros vinhos, novos ou antigos, assim ficando com uma ciência mais diversa do que se mantivesse uma fidelidade estrita à minha própria produção.
E, já que vou mantendo o hábito de, todos os anos, pelo Verão, ir passar férias à Galiza, não deixo para outros o prazer de tomar assento numa esplanada junto ao mar, acompanhando com o albariño um prato de percebes, de manchego ou de jámon ibérico.
Gasto, assim, muito dinheiro em vinho: a maior parte, no prejuízo que tenho com o vinho que produzo e não bebo; mas também com as compras que faço, já que tenho como regra variar no que se pode.

2 – Suponho que estarei, por essa única razão de gastar dinheiro em vinho, na mira de Jeroen Dijsselbloem e na sua diatribe contra as tribos do sul da Europa.
Mas, com este sol, esta luz mediterrânica e este mar que nos percorre o corpo e a alma, de Finisterra, a norte, à Ponta de Sagres, a sul, quem poderá levar a mal que prefiramos o esplendor solar de uma esplanada à beira-mar aos corredores cinzentos e burocráticos de Bruxelas ou de Frankfurt?
Nem por isso alguma vez pedi dinheiro emprestado, a não ser para comprar o andar onde moro, que todavia paguei no prazo.
Mas isso não impediu Jeroen Dijsselbloem e os seus sócios de me apresentarem na mesma a conta dos empréstimos, que todavia não pedi, nem recebi.
Na verdade, não é só no tamanho das maçãs, ou dos tomates, ou no número autorizado de folhas de couve, que as ordens de Bruxelas nos comandam; nem nas licenças para o tratamento da vinha, ou nas castas autorizadas.
Pelo que percebi, foram os nossos parceiros da União Europeia que nos obrigaram a vender o Novo Banco, à pressa.
(Nem sei se se pode chamar venda àquilo, já que não houve preço!)
Parece que, entre fundo de resolução e garantias, andaremos por cerca de 8.000 milhões de euros de perdas públicas com a operação.
Ficou-me, a mim, por cerca de 8.000 euros – e ficou o mesmo custo a cada português.

3 – A venda a patacos do Novo Banco veio apenas continuar o percurso de boa parte da banca nacional, desde o BPN – cuja nacionalização Teixeira dos Santos nos assegurou não custar um cêntimo aos contribuintes – ao BPP, desde o BANIF ao Novo Banco – sobre o qual nos dizem agora o mesmo que Teixeira dos Santos dissera há uns anos.
Claro que a divulgação de elementos dos processos judiciais que vão correndo ou estagiando nos tribunais, relativos aos rombos sofridos nesses bancos, merece censura.
Mas, por outro lado, essa devassa permite-nos confirmar o particular conúbio entre a alta (ou baixa) finança e os partidos do até há pouco chamado arco da governação – quer dizer, CDS, PSD e PS – e monitorizar a transumância entre ex-governantes e seus acólitos e as empresas que lhes servem de recuo.
Com predominância de uns partidos nuns casos; dos outros, noutros casos.
Aqui, nestas crónicas, saudei várias vezes a higiene política que o abandono da ideia anti-democrática do “arco da governação” significava, pela redução das soluções de governo.
Mas essa maioria – CDS, PSD e PS -, conquanto estilhaçada pela geringonça no plano do governo, continua viva no plano dos interesses.
E agora o Montepio?
PCP e BE permitirão que os recursos para combater a pobreza – como são os da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa – sejam postos ao serviço da especulação financeira?
Virão a coincidir o arco da governação e o arco europeu?
O arado lavra em profundidade; a fresa, só à superfície!

Henrique Rodrigues (Presidente do Centro Social de Ermesinde)

 

Data de introdução: 2017-04-13



















editorial

OLHARES DEPOIS DA TRAGÉDIA

(...) E esta tragédia irrompeu abruptamente num país que parecia estar a despertar para uma esperança consolidada num futuro melhor... Agora, mais do que ficar paralisado com medo do que ainda estará para vir ou de levantar dedos acusadores, importa...

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A política e a queda dos heróis
A política é uma área propícia ao nascimento ou à fabricação de “heróis”, mas nunca se sabe quanto tempo esse estatuto poderá...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Fundamento da Comunidade Política
Nunca terá passado pela cabeça de ninguém e, sobretudo do Governo e da Comunidade Política, que um incêndio, como o de Pedrógão Grande, pudesse abalar os...