CENSOS SÉNIOR 2017

Há mais idosos a viverem sozinhos

A GNR sinalizou 45.516 idosos a viver sozinhos ou isolados em todo o país, mais 2.194 do que na operação «Censos Sénior» realizada em 2016, anunciou aquela força de segurança.
Dos 45.516 idosos identificados, 28.279 vivem sozinhos, 5.124 residem em locais isolados e 3.521 vivem sozinhos e isolados, adianta a Guarda Nacional Republicana em comunicado, que serviu para divulgar os resultados da operação «Censos Sénior 2017».
Os militares da GNR encontraram ainda 8.592 idosos que vivem acompanhados, mas que se encontram “em situação de vulnerabilidade fruto de limitações físicas ou psicológicas”.
A corporação sublinha que as situações de “maior vulnerabilidade foram reportadas às entidades competentes, sobretudo de apoio social, no sentido de fazer o seu acompanhamento futuro”.
A maioria dos idosos que vivem sozinhos ou isolados são mulheres, designadamente 30.172, enquanto 15.344 homens vivem nesta situação.
No âmbito da operação «Censos Sénior 2017», que se realizou em todo o País entre 1 e 31 de março, a GNR registou mais 2.194 idosos a viver sozinhos ou isolados do que em 2016, quando viviam nestas condições 43.322.
Realizada anualmente pela GNR desde 2011, a operação «Censos Sénior» tem como objetivo identificar a população idosa que vive sozinha e isolada, atualizar os registos das edições anteriores e identificar novas situações.
Desde 2011 que a GNR tem sinalizado cada vez mais idosos a viver nestas condições.
Em sete anos, o número de idosos sinalizados quase que triplicou, passando dos 15.596, em 2011, para os 45.516, em 2017.
Segundo a GNR, estes dados “não refletem um aumento do número de idosos a viverem nestas situações, mas sim o facto de os censos sénior se constituírem como uma base de dados geográfica cada vez mais completa, potenciando assim um melhor apoio da GNR à população idosa”.
A corporação refere igualmente que vai continuar, ao longo do ano, a acompanhar os idosos sinalizados, através de visitas regulares às suas residências, além de realizar mais ações de sensibilização e fazer uma avaliação da sua segurança.
 

 

Data de introdução: 2017-04-04



















editorial

MANTER E APROFUNDAR A INTERVENÇÃO DAS IPSS (por João Carlos Dias)

Depois do importante papel que desempenharam, decisivo para suportar as consequências da grave crise que vivemos e ainda sem tempo de recuperar do esforço despendido, as IPSS são confrontadas com novos desafios que não escolheram, mas que terão...

inquérito

O Orçamento de Estado para 2017 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Não há idade para trabalhar
Ora cá está uma boa notícia, que não tem de meter política, daquela política politiqueira: a idade não é obstáculo para encontrar trabalho!As...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Carros e camiões: a nova arma do terrorismo
O recente atentado de Westminster veio confirmar a impossibilidade, de uma vitória definitiva no combate ao terrorismo. Os grandes responsáveis pela política mundial não se...