FUNDAÇÃO BETÂNIA, BRAGANÇA

Aposta na especialização para melhor servir os idosos

“Ao longo dos tempos podíamos ter investido em outras respostas sociais e até em outras áreas, mas a preocupação constante de procurar a qualidade e de dar o melhor possível à população idosa achamos que era aí que devíamos investir. Daí termo-nos especializado na área dos idosos”, defende Paula Pimentel, vice-presidente da instituição brigantina, com responsabilidades de presidente.
Nesse sentido, a Direção da instituição decidiu apostar na remodelação e ampliação das instalações, um dos projetos que visa dar melhores condições de envelhecimento aos seus utentes.
“Como, se calhar, não se justifica criar mais lares, a nossa aposta vai no sentido de reconstruir e tem sido apenas por falta de verbas que este projeto muito antigo ainda não está terminado”, lamenta.
Assim, nos últimos anos a Fundação Betânia tem andado “a investir na qualidade e no conforto”, tendo em 2010 entrado “num processo de remodelação interna”.
“O projeto de arquitetura está pensado para uma ERPI como a que temos, mas queremos criar duas zonas distintas: uma para pessoas com algum tipo de demência, porque temos um público distinto em termos de diagnóstico e não há muita aceitação entre todos os utentes; e um outro com quartos mais adaptados a utentes que surjam já com outro tipo de exigências, como computadores, internet, etc”, revela Paula Pimentel, que lembra que, a nível de Centro de Dia, 75% dos utentes tem diagnóstico de Alzheimer.
Esta preocupação com um problema crescente entre a população mais velha ganha força com a realidade: “As famílias não estão em condições de os deixar sozinhos nem de deixar de trabalhar para cuidar deles. E, na verdade, a partir do momento em que entram para o Centro de Dia acabam por estabilizar em termos de evolução da doença”.
Por isso, a instituição quer “criar melhores condições para acolher este tipo de população”.
Mas a criação de uma ala no lar vocacionada para os utentes com demências não é o único projeto em marcha na Fundação. Nesse sentido, surgiu em maio de 2016, com uma sugestiva denominação, o Ginásio do Cérebro Sénior.
“É um espaço físico, constituído por um conjunto de equipamentos de última geração, com o objetivo do treino cognitivo e sensorial”, começa por referir Bruno Santos, o principal responsável pelo projeto, e que explica: “Está direcionado para públicos com e sem quadros de demência e o objetivo é intervir ao nível da prevenção e de quando já existe um quadro de demência reabilitar ou retardar o seu desenvolvimento. Hoje essas doenças ainda não têm cura, mas pelo menos tentamos através de uma terapia não farmacológica intervir e retardar o seu desenvolvimento, treinando a memória, a perceção, o raciocínio, a atenção, a concentração e outras competências cognitivas. Não podemos esquecer que o cérebro também é preguiçoso, pelo que é necessário estimulá-lo”.
O termo ginásio não é inocente. Tal como o corpo também o cérebro precisa de ser estimulado.
“Chamámos-lhe Ginásio porque o envelhecimento ativo implica o exercício físico mas também o mental. Normalmente associamos o termo ginásio à parte mais física, mas, assim, associamo-lo também à parte mental, até para ajudarmos à mudança de paradigma”, explica Bruno Santos, que adianta estar o projeto agora numa primeira fase de avaliação: “Foram aplicadas escalas e agora vamos medir o impacto mais científico neste início de ano. Através de uma observação mais informal, o impacto tem sido muito positivo, logo pela adesão, pois os utentes adoram ir para o ginásio e participar nas atividades. Os ganhos são evidentes”.
Todas as intervenções no edificado e não só têm sido possíveis pelo investimento da instituição, pois até agora os apoios não têm existido.
“Temos procurado fazer uma gestão muito apertada e eficaz, para quando é preciso termos capacidade financeira. Daí que a remodelação tenha sido toda feita a expensas próprias”, afirma Paula Pimentel, lembrando que apenas a reformulação da entrada da instituição contou com uma colaboração da Câmara Municipal.
“Com o tal rigor na gestão temos uma situação financeira estável. E com isto não estou a dizer que temos muito dinheiro, mas temos condições para no caso de, por exemplo, em época de subsídio de Natal ou de férias, não termos que recorrer à banca. Temos sempre um fundo de maneio que nos dá para uma qualquer despesa extraordinária”, sustenta a vice-presidente, que aproveita para sublinhar: “Para mim, isto é uma situação saudável. Não é ter muito dinheiro, porque o que vamos conseguindo vamos investindo na instituição. No fundo, temos uma situação financeira equilibrada e espero que assim continue”.
A Fundação Betânia serve um vasto espectro de população, tendo gente que pouco pode pagar, gente que pode pagar e ainda algumas camas ocupadas pelas vagas da Segurança Social.
Atualmente acolhe 68 idosos em ERPI, apenas 56 contratualizados, e 12 em Centro de Dia, sem qualquer comparticipação estatal, e serve 25 utentes no SAD, com apenas 23 acordos de cooperação. Com um corpo de 43 funcionários, a não total cobertura da capacidade pelo financiamento estatal acaba também por ser um dificuldade acrescida.
“Até 2012 tínhamos o máximo da capacidade que era de 60 idosos, mas com a alteração da Portaria e com as obras de remodelação conseguimos ampliar a capacidade para 79. O que acontece é que quando tínhamos os 60 tínhamos metade dos quartos individuais e a outra metade duplos e os utentes dos quartos individuais ainda cá permanecem, pelo que ainda não conseguimos aumentar a capacidade efetivamente”, refere Paula Pimentel, que recorda: “No ano passado tivemos mais procura no SAD e menos na ERPI, porque os familiares por questões de rendimento do agregado procuram serviços muito completos mas por pouco dinheiro”.
O Centro de Dia é a resposta mais recente na instituição de Bragança e a sua criação obedeceu a um critério a que os responsáveis são muito sensíveis: “Acaba por servir de transição para o lar, porque as pessoas ainda têm muita reserva em virem para o lar, mas depois de experimentarem o Centro de Dia são elas próprias a pedir uma vaga no lar”.
Porém, as vagas em ERPI, na esmagadora maioria das situações, surge apenas por morte de utentes.
“O maior problema com que me deparo é o ter que dizer que não há vaga e as pessoas muitas vezes não entenderem. Felizmente, os que cá estão estão bem e duram muito tempo e, infelizmente, as vagas só surgem pela morte dos utentes”, sustenta Paula Pimentel, que está ciente da necessidade destas respostas à população.
“Em primeira linha, o grande problema os idosos é a falta de retaguarda familiar, não porque não tenham família ou suporte, mas porque a família não tem condições para cuidar. É uma tarefa muito exigente, pelo que têm encontrar um local onde deixar o seu familiar em segurança”, afirma a vice-presidente, ao que Bruno Santos acrescenta: “E também porque as habitações não estão preparadas para eles lá permanecerem”.
Sim, o Nordeste Transmontano é uma terra de clima(s) rigoroso(s)!
Outra das apostas da instituição tem sido na implementação da qualidade.
Tudo começou em 2007, mas, apesar de haver procedimentos implementados, a certificação ainda não existe.
“Antes do selo, o que queremos é a organização interna e que todos os setores funcionem adequadamente. Há uma componente burocrática muito forte no sistema de implementação da qualidade e isso tem-nos inibido de avançar com a própria certificação. Por esse motivo, e dando sempre prioridade ao utente, acabamos por ir sempre adiando esse passo final”, justifica, lembrando os custos: “Depois, há os custos que isso acarreta, porque não é só conseguir a certificação, são também os custos da sua manutenção. E o que nos preocupa é a organização interna e a qualidade dos serviços, mais do que a certificação em si”.
Mesmo assim, como defende Bruno Santos, “o sistema está implementado e a funcionar, mas sem o selo”, que acrescenta: “Em termos objetivos a qualidade existe, seja nos procedimentos ou em outras situações da vida da instituição, para além de que a equipa da qualidade todas as semanas reúne e faz o ponto da situação. A comunicação existe e flui entre todos, o que ajuda a manter a organização e a boa imagem para o exterior”.
Para Paula Pimentel, “na comunicação entre as pessoas e os diferentes setores há ganhos significativos, tal como a própria intervenção no edifício que surge na sequência de avaliações que são feitas, e ainda no envolvimento de toda a família Betânia, que são os funcionários, os utentes, os familiares, os fornecedores”.
Em jeito de desabafo, a vice-presidente atira: “O que nos dava jeito para a certificação era haver um FAS 4”.
De olhos postos no futuro, e no sentido de homenagear o fundador, o cónego Aníbal Folgado, a instituição tem um projeto para a aldeia do Picote, onde ele nasceu: “Temos já o projeto de arquitetura para a criação da Casa Cultural Cónego Folgado. A ideia é criar um espaço cultural na casa de família do cónego Folgado. São um conjunto de casas pequenas que pretendemos constituir em uma só, junto à Barragem de Picote, e que queremos que sirva para exposições, encontros, residências artísticas, etc. Seria muito mau perder aquilo onde tudo começou. E assim podemos homenagear quem doou tudo à comunidade”.
Foi em 1984 que foi lançada a primeira pedra do que em 1996 viria a ser a Fundação Betânia. O cónego Folgado, juntamente com dois sobrinhos – um dos quais (Adelino Pais) lhe sucede atualmente na presidência da instituição –, decidiu constituir a Fundação Betânia e doar todo o património à diocese.
Começou por adquirir a Quinta do Seixo com ajuda de pessoas da zona e, à medida das possibilidades, foi investindo no espaço e criando a estrutura. “Chegou a hipotecar a própria residência para conseguir empréstimo para construir esta casa”, conta Paula Pimentel, com visível admiração.
Em 1996, a instituição abriu portas com três respostas: Lar, SAD e um Centro de Acolhimento Temporário para menores em risco, que dois anos depois foi transferido para Mirandela.
Hoje acresce o Centro de Dia e mais de uma centena de utentes.

 

Data de introdução: 2017-02-01



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....