PACTO DE COOPERAÇÃO

Solidariedade Social concertada há 20 anos

Foi há 20 anos assinado e dizia logo no início: “O Pacto de Cooperação para a Solidariedade Social será, pois, o instrumento redefinidor das áreas, regras, pressupostos e condições de cooperação, abrindo ainda caminho para a revisão global da legislação aplicável às Instituições Particulares de Solidariedade Social e para eventuais alterações a introduzir no quadro legal das autarquias locais.
Nestes termos, o Governo, representado pelo Primeiro-Ministro, a Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP), a Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), a União das Instituições Particulares de Solidariedade Social (UIPSS), a União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e a União das Mutualidades (UM), representadas pelos respectivos Presidentes, celebram o presente Pacto de Cooperação para a Solidariedade Social”.
No final do documento figuram as assinaturas do primeiro-ministro António Guterres e dos presidentes da ANMP, Mário de Almeida, da ANAFRE, Manuel Marçal Pina, da, então, UIPSS - União das Instituições Particulares de Solidariedade Social (hoje CNIS), padre José Maia, da União das Misericórdias Portuguesas, padre Vítor Melícias, e da União das Mutualidades Portuguesas, António da Costa Leal, que anuíam em seguir um caminho que se regesse por “um instrumento que visa criar condições para o desenvolvimento da estratégia de cooperação” entre o Setor Social, “que prosseguem fins de solidariedade social”, o Estado Central e as “Administrações Regional e Local”.
Ao colocarem as respetivas assinaturas no Pacto de Cooperação para a Solidariedade Social, todos os subscritores assumiram que, como se pode ler no documento, “cooperarão entre si com os seguintes objetivos:
a) Desenvolvimento de uma rede de apoio social integrado, contribuindo para a cobertura equitativa do País em serviços e equipamentos sociais;
b) Melhoria da qualidade e eficácia dos serviços e equipamentos sociais existentes e aperfeiçoamento das metodologias de intervenção;
c) Fomento de iniciativas que visem a minimização dos efeitos das desigualdades e injustiças sociais e a promoção da dignidade e qualidade de vida e da saúde das pessoas, das famílias e das comunidades;
d) Corresponsabilização dos diversos agentes dos sectores público e social e desenvolvimento sócio local no fomento das iniciativas previstas no presente instrumento de cooperação;
e) Otimização dos recursos disponíveis, de modo a possibilitar melhores prestações sociais, assentes nas relações custo/benefício/qualidade dos serviços”.

QUEM FAZ O QUÊ

Estabelecia-se quem faz o quê na ação social direta, numa altura em que o Setor Solidário pugnava pela sua afirmação, depois de muitos anos de vazio normativo, que poucos anos antes começava a ser desbloqueado. Importa lembrar que eram tempos de fortes investidas políticas no sentido de municipalizar a ação social, como recorda o padre José Maia, à época presidente da UIPSS, hoje CNIS: “Quando me tocou assumir a responsabilidade de assumir a presidência da União a situação era confrangedora. Ainda me lembro de ir ao Largo do Rato a reuniões com técnicos da Segurança Social… até ao dia em que me saltou o testo e disse que não ia a mais nenhuma reunião com técnicos. É que os técnicos da Segurança Social é que ditavam as regras para as IPSS e, então, disse que aquilo acabava ali”.
O padre José Maia liderou a UIPSS/CNIS de 1988 a 2003 e recorda de forma muito viva os tempos de afirmação das IPSS, que, na opinião dele, começam em 1992, com a publicação do Despacho Normativo nº 75/92, que em 2017 celebra 25 anos.
Eram os tempos da famosa reunião em Alfena, “convocada em 24 horas e onde esteve Cavaco Silva e o ministro Silva Peneda”, respetivamente, primeiro-ministro e ministro da Segurança Social, e que ficou conhecida pelo «Grito de Alfena».
“Foi o Grito do Ipiranga, em que dizíamos que não aceitávamos mais aquela situação e, então, saiu o Despacho nº 75/92”, conta o padre José Maia, lembrando: “O Despacho foi trabalhado pela Direção e pelo seu assessor jurídico da União, doutor Costa Fernandes, linha a linha e a nossa ideia foi a de nunca mais deixar que fossem eles a construir normativos, mas fôssemos nós a ter a iniciativa”.
Para o então líder da UIPSS/CNIS, “havia intencionalidade, atitude e firmeza” e, com o Despacho Normativo 75/92, era o fim das conversações com técnicos e o elevar da “negociação para um patamar político, só a nível de secretários de Estado e ministro”, que sublinha: “Antes, com o ministro do Planeamento Valente de Oliveira, havia a intenção de municipalização das políticas sociais, ao que, “em nome da Direção, disse logo, contra a municipalização marchar, marchar!”.

REDE SOCIAL

O padre José Maia recorda que houve uma sequência de passos que conduziram à elaboração do Pacto de Cooperação para a Solidariedade Social, como o referido despacho e a criação da Rede Social, que trouxe nova investida dos defensores da municipalização da ação social.
“A Rede Social era o instrumento que foi criado para regular quem faz o quê. Em tudo sempre manifestámos abertura para que toda a gente pudesse dar, mas cada um sabendo qual era o seu espaço. Nunca renunciando nós à autonomia e à identidade das IPSS, que é a solidariedade”, argumenta, recordando de seguida a questão em que se queria colocar à frente das estruturas da Rede Social os autarcas: “Isso é que era bom! Não aceitei, tivemos ali hora e meia e nunca houve cedência nesse ponto. E disse-lhes, ‘quando muito quem preside, em princípio, é o presidente da Junta na Comissão Social de Freguesia e o presidente da Câmara no CLAS’. E quando veio a primeira versão do documento para (eu) assinar, tinham tirado o «em princípio». Obviamente, opus-me, mas depois corrigiram e colocaram novamente o «em princípio»”.
Foi numa Assembleia Geral, em Fátima, que a UIPSS/CNIS propôs “que se fizesse um Pacto de Cooperação para a Solidariedade Social”, que, ainda segundo o padre José Maia, “pretendia acolher aquilo que andava no ar, ou seja, se há muita gente a querer fazer bem, não seja por isso que não o fará, então, vamos a isso e vamos definir o que é que faz cada um”.
O então presidente da União recorda que “logo nessa altura houve quem quisesse fazer um estudo para ver o impacto financeiro das IPSS”, ao que se disponibilizou para fornecer alguns dados, mas: “Disse sempre que me estava a marimbar para o impacto financeiro, porque nós somos solidariedade e nem a pinta do «i» nos tiram. Sempre chutei a economia, nós somos da solidariedade. A economia é noutra porta”.
E o padre José Maia refere ainda outra questão, que reconhece não ser valorizada por muitos, mas que é “muito importante”. Refere-se ao articulado da Constituição da República Portuguesa que, na revisão de 1997, consagrou que “o Estado apoia” o Setor Solidário, “o que é um compromisso de financiamento”.
“Temos em sede de Constituição o compromisso de financiamento do Estado. Ou seja, não depende dos Governos, é obrigação constitucional. É certo que cada um pode interpretar à sua maneira, mas o compromisso de apoiar financeiramente está na Constituição”, assevera o padre José Maia, lembrando que na altura havia “uma grande intencionalidade em defender a identidade e autonomia das IPSS”.
Para o antigo responsável pela UIPSS/CNIS, que muitas batalhas travou pela afirmação das IPSS, “houve uma série de medidas que pretenderam acautelar o Setor, que é único na Europa”, acrescentando: “Não há nenhum outro Estado na Europa em que haja uma concertação entre o Estado e as IPSS para que exista o subsistema da ação social na Segurança Social. E essa ação social foi contratualizada com as IPSS”.
E para tal foi necessário arranjar quadros normativos, “porque a guerra ideológica era muita, havia muita tentação e, nesse aspeto, o então Primeiro-ministro Engenheiro Guterres foi um aliado e o Pacto constituiu uma defesa para as IPSS”.
Porém, as ameaças de que o Setor Social Solidário tem sido alvo, não surpreendem o antigo presidente da UIPSS/CNIS.
“Depois houve um tempo em que toda a gente continuou a pressionar e admito que se possa, por motivos vários, ter caído naquilo que era a Economia Social, que, como costumava dizer, era um albergue espanhol, mas muito pior, porque as IPSS vão cair num caldeirão de que nunca mais se safam”, afirma, defendendo: “Durante bastante tempo houve a tentação de nos meterem na economia, mas sempre defendi que somos da solidariedade”.
A estre propósito recorda o episódio da tentativa de revisão do Decreto-lei nº 119/83 e que esbarrou na questão de se saber qual a tutela da UIPSS: “Não aceitei, porque a tutela só existe em órgãos da mesma natureza e nós não somos públicos. Naquela altura sabíamos o que queríamos e tínhamos o aval político do ministro Silva Peneda, que foi um grande aliado nesta coisa da autonomia. E foi nessa altura que a então UIPSS quis uma cadeira no Conselho Económico e Social”.
É da sucessão destas situações e clarificações que resulta o Pacto de Cooperação para a Solidariedade Social, que apesar de todas as ameaças, continua a balizar quem faz o quê na ação social no País.
“Aquele foi um tempo em que houve que fazer esta defesa para clarificar as situações. Era necessário porque a partir do momento em que não se clarificam as coisas pode vir uma tormenta ideológica, como a de agora, que é completamente desfavorável ao Setor Solidário, pelo que há que estar com muita atenção para prevenir a estatização da solidariedade”, defende o padre José Maia, deixando uma crítica: “Toda a gente quer lugares para pôr o pessoal político e é preciso incluir na listagem do pessoal a quem se dá benesses as IPSS, que é um universo grande. É uma ideia pragmática, até os percebo, mas não pode ser”.
Para o antigo presidente da UIPSS/CNIS, “o Estado pode mudar de políticas, pode dizer que acabou o tempo em que contratualiza a ação social com as IPSS, através de um ato administrativo e os sinais que dá é que o quer fazer”; porém, “se se cai na tentação de pegar nas instituições e fazer delas e prepará-las no conceito de terem que gerar receitas para a sua atividade, isso é outra conversa, é outra coisa, que não solidariedade”.

MENSAGEM DE FERRO RODRIGUES

Apesar de a sua assinatura não constar do documento, o então ministro da Segurança Social, Eduardo Ferro Rodrigues, foi um dos protagonistas na elaboração do documento e deixou uma mensagem ao SOLIDARIEDADE, por ocasião do 20º aniversário do Pacto de Cooperação para a Solidariedade Social.
“A assinatura do Pacto de Cooperação para o Setor Solidário já faz 20 anos.
O Setor Solidário tem um papel estratégico na vida do País, na sua complementaridade com o setor público e o setor privado.
É assim em todas as economias sociais de mercado que temos como referência na Europa.
Quando cheguei ao Ministério da Solidariedade Social em 1995 a severidade da pobreza em Portugal era gritante e tínhamos poucos instrumentos eficazes para reduzir o impacto deste drama social.
Foi preciso lançar no terreno, com vontade política e sentido da urgência social, uma nova geração de políticas sociais orientada para quem mais precisa.
O Rendimento Mínimo Garantido foi o primeiro exemplo de muitas outras medidas que tiveram concretização posterior, como o Complemento Solidário para Idosos.
Sempre entendi que a eficácia de uma medida social desta dimensão teria de assentar no forte contributo do Setor Solidário.
Tive na altura a colaboração de uma equipa fantástica, em que estavam Rui Cunha, Paulo Pedroso e Vieira da Silva. Contei ainda com a União das Misericórdias e o padre Vítor Melícias. E tive na Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade e na pessoa do seu presidente à época, o padre José Maia, um excelente interlocutor para, juntos, transformarmos Portugal numa sociedade mais justa, inclusiva e solidária.
As instituições de solidariedade social são um grande movimento da sociedade civil com um conhecimento real da vida das pessoas e das comunidades em que atuam”, escreveu o atual Presidente da Assembleia da República.
Também o atual presidente da CNIS, padre Lino Maia evocou a data no seu editorial de dezembro no jornal SOLIDARIEDADE e que pode ler aqui.

Pedro Vasco Oliveira (texto)

 

Data de introdução: 2016-12-20



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....