APPACDM DE CASTELO BRANCO

Presidente da República inaugura Museu da Seda

O Presidente da República inaugurou o Museu da Seda da APPACDM de Castelo Branco, numa cerimónia carregada de afeto(s) e em que dezenas de utentes dispensaram uma receção entusiástica e calorosa a Marcelo Rebelo de Sousa, que todos cumprimentou à chegada.
Após descerrar a placa que perpetuará o ato inaugural, o Presidente da República estreou o livro de honra e visitou o Museu da Seda, inteirando-se do que ao longo das cinco salas é retratado sobre a história mundial, nacional e local da seda e ainda sobre a experiência da APPACDM de Castelo Branco na sericicultura, algo que começou em 1990.
“O Museu é excecional porque é a prova de que é possível a uma IPSS fazer aquilo que lhe compete, que é inclusão social, que é a atenção a todos aqueles que mais necessitam, de todas as idades, e fazer cultura, fazer educação e formação. Fazer solidariedade social é fazer cultura, são inseparáveis. Não há cultura sem solidariedade social e não há solidariedade social que não tenha uma dimensão cultural”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, no final, ao SOLIDARIEDADE.
Para o Presidente da República, a abertura de um museu, que é único em Portugal, em Castelo Branco valoriza ainda mais a iniciativa dos responsáveis pela instituição que trabalha na área da deficiência: “Ser no Interior tem mais valor, porque é mais difícil, os recursos são menores, implica dedicação acrescida, mas o que aqui encontrei foi dinamismo, entusiasmo, uma conjugação de vontades excecional. Nessa medida, enquanto Presidente da República, agradeço em nome de todos os Portugueses, porque é assim que também se muda o País… a começar pelo Interior”.
Maria de Lurdes Pombo, no final, era “uma presidente satisfeita” e a razão da líder da APPACDM de Castelo Branco era simples: “Sempre desejei que o Museu fosse inaugurado pelo senhor Presidente da República. É, de facto, um Presidente muito especial, que já conhecia a APPACDM e o que aqui se faz. Ele manifestou que viu aqui um bom trabalho, muito amor e que ficou muito satisfeito com a alegria das crianças e dos jovens quando o receberam”.
O Museu da Seda vem, de certa forma, completar a «rota da seda» da APPACDM albicastrense que começou, em 1990, com as primeiras criações do bicho-da-seda, na perspetiva de ser uma atividade ocupacional para os jovens da instituição.
Para a presidente da instituição albicastrense, “a construção do Museu da Seda sempre foi um sonho”, mas foi preciso criar as condições necessárias para a consolidação do projeto de sericicultura.
“A partir do momento em que foi possível termos o centro sericícola e pudemos aumentar a produção, fruto de um projeto que candidatámos à EDP Solidária, com a climatização da chamada «maternidade» do bicho-da-seda, e conseguirmos produzir 32 quilos de seda para o mercado, houve sempre o objetivo de construir o Museu da Seda”, conta Maria de Lurdes Pombo, sublinhando que este irá “ajudar à sustentabilidade da instituição” e, por outro lado, confere à cidade mais uma unidade museológica ligada ao renomado Bordado de Castelo Branco, que conta já com o Museu do Bordado e o Centro de Interpretação do Bordado.
Particularidade do Museu da Seda é não fixar apenas o passado e o presente, mas perspetivar também o futuro, pois “a seda da APPACDM, pela qualidade, começou a ter procura para fins de investigação”, refere a presidente da instituição, que lembra a parceria com a Universidade Católica do Porto e com a Universidade do Minho para a investigação na área biomédica.
“Este é um museu com forte componente de cultura, de investigação e, claro, de inclusão, porque alguns dos nossos jovens estarão afetos ao museu”, resume Maria de Lurdes Pombo.
O equipamento, que fica integrado no complexo da Quinta da Carapalha, foi totalmente financiado pela Câmara Municipal de Castelo Branco, com aprovação unânime da vereação, e orçou em cerca de 1,1 milhões de euros.
A intenção dos responsáveis pela APPACDM e pelo Museu, cujo diretor é Manuel Barreto, é fazer da estrutura “um museu interativo”, aproveitando o Centro Sericícola e o percurso pedagógico que funcionam na Quinta da Carapalha.
Para além do Presidente da República, estiveram presentes na inauguração do Museu da Seda da APPACDM de Castelo Branco, o ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, o edil albicastrense, Luís Correia, e o bispo de Portalegre-Castelo Branco, Antonino Fernandes Dias, que benzeu o equipamento, perante o aplauso de dezenas de jovens portadores de deficiência.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2016-12-05



















editorial

MANTER E APROFUNDAR A INTERVENÇÃO DAS IPSS (por João Carlos Dias)

Depois do importante papel que desempenharam, decisivo para suportar as consequências da grave crise que vivemos e ainda sem tempo de recuperar do esforço despendido, as IPSS são confrontadas com novos desafios que não escolheram, mas que terão...

inquérito

O Orçamento de Estado para 2017 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Não há idade para trabalhar
Ora cá está uma boa notícia, que não tem de meter política, daquela política politiqueira: a idade não é obstáculo para encontrar trabalho!As...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Carros e camiões: a nova arma do terrorismo
O recente atentado de Westminster veio confirmar a impossibilidade, de uma vitória definitiva no combate ao terrorismo. Os grandes responsáveis pela política mundial não se...