APPACDM DE CASTELO BRANCO

Presidente da República inaugura Museu da Seda

O Presidente da República inaugurou o Museu da Seda da APPACDM de Castelo Branco, numa cerimónia carregada de afeto(s) e em que dezenas de utentes dispensaram uma receção entusiástica e calorosa a Marcelo Rebelo de Sousa, que todos cumprimentou à chegada.
Após descerrar a placa que perpetuará o ato inaugural, o Presidente da República estreou o livro de honra e visitou o Museu da Seda, inteirando-se do que ao longo das cinco salas é retratado sobre a história mundial, nacional e local da seda e ainda sobre a experiência da APPACDM de Castelo Branco na sericicultura, algo que começou em 1990.
“O Museu é excecional porque é a prova de que é possível a uma IPSS fazer aquilo que lhe compete, que é inclusão social, que é a atenção a todos aqueles que mais necessitam, de todas as idades, e fazer cultura, fazer educação e formação. Fazer solidariedade social é fazer cultura, são inseparáveis. Não há cultura sem solidariedade social e não há solidariedade social que não tenha uma dimensão cultural”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, no final, ao SOLIDARIEDADE.
Para o Presidente da República, a abertura de um museu, que é único em Portugal, em Castelo Branco valoriza ainda mais a iniciativa dos responsáveis pela instituição que trabalha na área da deficiência: “Ser no Interior tem mais valor, porque é mais difícil, os recursos são menores, implica dedicação acrescida, mas o que aqui encontrei foi dinamismo, entusiasmo, uma conjugação de vontades excecional. Nessa medida, enquanto Presidente da República, agradeço em nome de todos os Portugueses, porque é assim que também se muda o País… a começar pelo Interior”.
Maria de Lurdes Pombo, no final, era “uma presidente satisfeita” e a razão da líder da APPACDM de Castelo Branco era simples: “Sempre desejei que o Museu fosse inaugurado pelo senhor Presidente da República. É, de facto, um Presidente muito especial, que já conhecia a APPACDM e o que aqui se faz. Ele manifestou que viu aqui um bom trabalho, muito amor e que ficou muito satisfeito com a alegria das crianças e dos jovens quando o receberam”.
O Museu da Seda vem, de certa forma, completar a «rota da seda» da APPACDM albicastrense que começou, em 1990, com as primeiras criações do bicho-da-seda, na perspetiva de ser uma atividade ocupacional para os jovens da instituição.
Para a presidente da instituição albicastrense, “a construção do Museu da Seda sempre foi um sonho”, mas foi preciso criar as condições necessárias para a consolidação do projeto de sericicultura.
“A partir do momento em que foi possível termos o centro sericícola e pudemos aumentar a produção, fruto de um projeto que candidatámos à EDP Solidária, com a climatização da chamada «maternidade» do bicho-da-seda, e conseguirmos produzir 32 quilos de seda para o mercado, houve sempre o objetivo de construir o Museu da Seda”, conta Maria de Lurdes Pombo, sublinhando que este irá “ajudar à sustentabilidade da instituição” e, por outro lado, confere à cidade mais uma unidade museológica ligada ao renomado Bordado de Castelo Branco, que conta já com o Museu do Bordado e o Centro de Interpretação do Bordado.
Particularidade do Museu da Seda é não fixar apenas o passado e o presente, mas perspetivar também o futuro, pois “a seda da APPACDM, pela qualidade, começou a ter procura para fins de investigação”, refere a presidente da instituição, que lembra a parceria com a Universidade Católica do Porto e com a Universidade do Minho para a investigação na área biomédica.
“Este é um museu com forte componente de cultura, de investigação e, claro, de inclusão, porque alguns dos nossos jovens estarão afetos ao museu”, resume Maria de Lurdes Pombo.
O equipamento, que fica integrado no complexo da Quinta da Carapalha, foi totalmente financiado pela Câmara Municipal de Castelo Branco, com aprovação unânime da vereação, e orçou em cerca de 1,1 milhões de euros.
A intenção dos responsáveis pela APPACDM e pelo Museu, cujo diretor é Manuel Barreto, é fazer da estrutura “um museu interativo”, aproveitando o Centro Sericícola e o percurso pedagógico que funcionam na Quinta da Carapalha.
Para além do Presidente da República, estiveram presentes na inauguração do Museu da Seda da APPACDM de Castelo Branco, o ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, o edil albicastrense, Luís Correia, e o bispo de Portalegre-Castelo Branco, Antonino Fernandes Dias, que benzeu o equipamento, perante o aplauso de dezenas de jovens portadores de deficiência.

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2016-12-05



















editorial

Pela erradicação da pobreza

Outubro está associado à "Erradicação da Pobreza". Pela primeira vez em 1992, a data (dia 17) foi comemorada oficialmente com o objetivo de alertar a população para a necessidade de defender um direito básico do ser...

Não há inqueritos válidos.

opinião

António José da Silva

O fascínio do poder
O poder, seja este de que tipo for, exerce sempre algum fascínio sobre a maior parte dos homens, e entre os diversos tipos de poder que exercem maior fascínio, está certamente o poder...

opinião

Padre José Maia

Outubro: mês social
A circunstância de, no mês de outubro, se evocarem o Dia do Idoso (dia 1) e o Dia da erradicação da Pobreza (dia 17), inspirou-me a partilha com os leitores de SOLIDARIEDADE de...