HENRIQUE RODRIGUES

“Palavra dada é palavra honrada”

1 - Durante o Governo de Passos Coelho e Paulo Portas, de 2011 a 2015 – mas principalmente de 2012 a 2014, no decurso da execução do programa de resgate imposto a Portugal pelas instituições internacionais nossas credoras – tal Governo sempre defendeu a necessidade de cumprimento das exigências desse programa, por mais intrusivas que fossem do espaço da nossa soberania e por mais que afectassem os direitos constituídos dos cidadãos.

Tal cumprimento – defendia então o Governo – é que conferiria credibilidade internacional ao nosso País e permitiria estabelecer um clima de confiança nas instituições da troika e nos “mercados” que constituiria condição de sucesso e da “saída limpa”, como lhe chamaram.

Como sabemos, as exigências do programa impunham cortes severos em salários e pensões, com especial punição dos funcionários públicos e dos aposentados da Caixa Geral de Aposentações, bem como a redução de um elenco significativo de prestações sociais, como o Complemento Solidário para Idosos, o RSI, o subsídio de desemprego, o abono de família, as pensões de viuvez…

O confisco de direitos só não foi tão intenso quanto os credores o exigiam e o Governo porfiava, porque em várias ocasiões, e a propósito dos diversos Orçamentos de Estado desse período e legislação avulsa conexa, o Tribunal Constitucional o impediu, por considerar intolerável o esbulho.

O Tribunal Constitucional considerou, em várias medidas legislativas do Governo de então, que tais medidas violavam o princípio da confiança, que é o princípio que se traduz na expectativa que legitimamente se consolida nos cidadãos quanto ao cumprimento pelo Estado das regras do contrato social – e dos contratos particulares que o Estado mantém com cada um de nós.

Várias vezes abordei aqui esse tema, na altura própria, insurgindo-me contra tais medidas e manifestando a minha opinião quanto à inconstitucionalidade delas, como os meus leitores estarão lembrados…

2 – Havia então dois campos, duas perspectivas:

Uma, estribada no Governo e na maioria que o apoiava, que preferia cumprir os contratos com os credores internacionais, relegando para um segundo plano os contratos com os credores internos: os cidadãos.

Na verdade, também um trabalhador do Estado é credor do seu vencimento; também um aposentado ou um reformado são credores da sua pensão.

Não havendo, em sua opinião, possibilidade de cumprir os compromissos internacionais e, simultaneamente, os compromissos internos, o Governo preferiu cumprir aqueles em primeiro lugar.

A segunda perspectiva era a manifestada pelo PS, então na oposição: contratos por contratos, primeiro seria mister o Estado cumprir com os seus nacionais.

Não seria legítimo – proclamava, e bem, o PS – invocar o carácter sagrado dos compromissos, para justificar o cumprimento dos contratos internacionais; esquecendo essa sacralidade no que respeitava aos seus compromissos no plano interno.

“Pacta sunt servanda” – é princípio que vale para todos os contratos.

A expressão popular cunhada por António Costa, durante a campanha eleitoral para as eleições legislativas que conduziram à actual solução de Governo, que resolvi trazer para título da crónica – “Palavra dada é palavra honrada” – resume com grande eficácia essa segunda perspectiva: para o Estado reganhar a confiança da sociedade, tem de cumprir os seus compromissos; com os portugueses primeiro.

O Governo – o novo Governo – haveria de distinguir-se nisso: no cumprimento dos compromissos, no cumprimento dos contratos.

Era a promessa implícita.

Como afirmou António Costa, numa sessão eleitoral em Guimarães: “A primeira coisa que um político tem que saber é que palavra dada tem de ser palavra honrada e é com base nisto que nós reconstruímos a confiança na democracia”.

3 – Nessa mesma sessão eleitoral, o então Secretário-Geral do PS afirmou ainda, exibindo o célebre “caderninho vermelho” que contém o programa eleitoral do PS: “O programa do PS não são palavras que o vento pode levar”

Fui ler esse Programa, na parte que nos diz respeito.

Reproduzo esse (curto) texto:

“Estabilizar e desenvolver a cooperação com o sector solidário”

“O PS, atento ao importante papel desenvolvido pelas organizações não-governamentais da área social, bem como a tradição socialista de reforço da mobilização da sociedade para a promoção da coesão social, continuará a reforçar a cooperação com este setor.

Neste quadro deverá ser dada particular atenção à cooperação com o setor solidário em domínios como o combate a pobreza, a atuação de proximidade no apoio às famílias e às comunidades, e a integração de grupos sujeitos a riscos de marginalização.

O PS proporá com carácter de urgência a renovação do Pacto para a Cooperação e Solidariedade com o horizonte da legislatura e que deverá seguir os seguintes princípios:

• Estabilidade de médio prazo da relação do estado com as instituições sociais;

• Definição de um eficaz quadro operativo do papel regulador das instituições públicas em matéria de cooperação;

• Reforço da prioridade à diferenciação positiva enquanto pilar do modelo de cooperação;

• Garantia da conciliação entre sustentabilidade institucional e acessibilidade aos serviços sociais.”

Aí estão as referências à tradição socialista de reforço da mobilização da sociedade e ao reforço da cooperação, ao Pacto de Cooperação, bem como a explicitação do princípio da estabilidade das políticas públicas no que respeita às relações com o Sector Solidário, como traduções da ideia-forte de António Costa sobre a honradez do cumprimento dos compromissos.

Nem era preciso: os Governos entrantes não é suposto aceitarem o encargo a benefício de inventário, estando antes vinculados e honrar os compromissos anteriores do Estado – mesmo quando não concordem com eles.

O Estado deu a sua palavra – é para cumprir, seja qual for o Governo em funções!

4 – Em 1997, o Estado solicitou às IPSS a adesão destas à Rede Nacional da Educação Pré-Escolar, a fim de lograr o objectivo da universalização da educação pré-escolar das crianças portuguesas.

As IPSS aceitaram a cooperação proposta.

O Ministério da Educação impôs, nessa ocasião, na Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar, que os educadores de infância ao serviço das IPSS integrantes dessa Rede deveriam ter remunerações progressivamente aproximadas às dos educadores de infância da rede pública – o que levou à actual situação de injustiça relativa entre as retribuições das demais carreiras profissionais nas IPSS e a carreira docente – nesta, a retribuição é de cerca de 2,5 vezes mais do que naquelas, para idênticas qualificações.

Em contrapartida, o Ministério da Educação indemnizaria as IPSS do aumento da despesa, resultante dessa obrigação contratada.

Ora, nesta matéria, a “tradição socialista”, pelo menos no que respeita ao consulado de José Sócrates, não se recomenda: o seu Governo deixou atrasar o pagamento dessa obrigação durante vários anos, colocando sob ameaça a sustentabilidade de tesouraria de muitas Instituições - situação só regularizada pelo Compromisso de Cooperação 2015/2016.

Mas, pelo caminho em que vamos – ou não vamos - parece que essa má “tradição” se está a querer impor …

Ora, “palavra dada é palavra honrada”.

Henrique Rodrigues – Presidente da Direcção do Centro Social de Ermesinde

 

Data de introdução: 2016-07-11



















editorial

Qualidade e Qualificação

O que quer que se faça nas Instituições de Solidariedade, seja ao nível dos processos de gestão, seja ao nível dos recursos humanos ou doutros recursos, não constitui um fim em si mesmo, mas sim instrumentos para atingir o fim...

Não há inqueritos válidos.

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Dignidade e Direitos Humanos
Vivemos tempos conturbados em que a supremacia do poder económico e financeiro sobre o poder político se vai impondo, atirando para as periferias da pobreza e das várias...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Estados Unidos e Rússia: uma relação menos clara
Nos anos que mediaram entre o fim segunda guerra mundial e o desaparecimento da União Soviética, as relações entre a Rússia e os Estados Unidos foram sempre muito claras....