PADRE JOSÉ MAIA

Fanatismo e Terrorismo

As últimas semanas, a partir do 13 de novembro, terroristas jihadistas espalharam o terror em Paris, daí alastrando a Bruxelas, passando depois para o Mali, sem esquecer que, antes, fez explodir um avião a caminho das Rússia, passando ainda pela Tunísia através de um ataque a um autocarro com altas patentes militares… deixaram o Mundo à beira de um ataque de nervos!

A espiral de violência bárbara perpetrada pelo “terrorismo jihadista global” (o auto proclamado Estado Islâmico), que agora se agudizou, começa a mobilizar as opiniões públicas e os Estados para uma “ação concertada” contra estes atentados à vida e aos valores civilizacionais ocidentais.

Em tempo de balanço, fácil se tornará concluir que a criação de vazios de poder, como aconteceu na Síria, na Líbia, no Iraque e na região do Sahel, foram o primeiro erro grosseiro persistentemente cometido pelo Ocidente. Não dá também para entender como a fonte de financiamentos a estes movimentos terroristas é assegurada por países que, de forma farisaica, por um lado, condenam os atentados e depois, por outros, lhes fazem chegar avultados financiamentos para alimentar tais movimentos.

Claro que, hoje, o jihadismo global não se compadece com sanções sobre eventuais financiadores nem se resolve com vistosas ofensivas militares. Os membros desta nova geração de “jihadistas globais” estão dispostos a combater com o que tiverem à mão: armas brancas e de fogo, explosivos e até botijas de gás ou latas de coca-cola (como terá acontecido na explosão do avião que se dirigia para a Rússia).

Em face de tudo isto, impõe-se perguntar:

- O que foi acontecendo nos vários países islâmicos, nos últimos anos, para que esse movimento jihadista terrorista se tenha expandido tanto, nas barbas da comunidade internacional? Que explicações e/ou justificações existem para este fenómeno?

- Deixando agora de lado as causas que poderão estar na génese do terrorismo jihadista em vários países islâmicos (não em todos!), centremos nos países ocidentais a nossa atenção, interrogando-nos sobre eventuais causas de processos de contestação social/ideológica que poderão gerar outras formas de terrorismo, tais como:

- Fenómenos como realojamentos em massa de milhares de famílias sem atender às realidades sociais das pessoas, sobretudo dos jovens, as gritantes desigualdades sociais, processos de empobrecimento coletivo e desemprego em massa que obriga centenas de milhares de cidadãos a buscar na emigração forçada o seu pão nosso de cada dia, conflitos regionais geradores de milhões de refugiados que clamam humanidade e direito a um futuro junto de países europeus, não poderão estar também na génese de movimentos de protesto que poderão evoluir, a qualquer momento, para expressões de violência a grande escala?

- Não terá a Europa de repensar muitas das suas políticas sociais, educativas, culturais e de segurança, no pressuposto de que alguns falhanços nestes domínios poderão estar na génese do êxodo de muitos dos seus jovens para o exército dos terroristas jihadistas?

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2015-12-11



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...