ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

De novo o conflito israelo-palestiniano

No começo do mês de Outubro, um dos grandes temas dos noticiários internacionais voltou a ser o conflito israelo-palestiniano que, pelo menos aparentemente, se arrisca a superar, nos próximos tempos, o interesse mediático provocado pela tragédia dos refugiados. Antes de mais, porque a opinião pública não tomou conhecimento de novidades significativas no desenvolvimento deste processo e, depois, porque ninguém sabe até onde pode ir o agravamento das tensões entre judeus e palestinianos. De momento, todos parecem temer que estejamos assistir a assistir ao início de uma nova “intifada” a terceira na história recente das relações entre israelitas e palestinianos.

O primeiro levantamento popular contra a ocupação israelita ocorreu em Dezembro de 1982 e, entre outros motivos, passou à História por causa das armas mais utilizada pelos manifestantes palestinianos. Na memória de muita gente estão ainda as imagens de jovens atacar à pedrada os soldados judeus, cujo armamento de pouco servia numa guerra bem diferente daquela para que se tinham preparado. Por isso, ficou conhecida como a guerra das pedras. Foi uma guerra que não fez muitas vítimas nem grandes estragos materiais, mas que teve efeitos psicológicos e políticos consideráveis. A imagem e o prestígio de Israel começaram a ser questionados, mesmo entre países tradicionalmente amigos. Um efeito da conhecida imagem bíblica de David e Golias, mas ao contrário.

No mês de Setembro do ano 2000, Ariel Sharon forneceu aos palestinianos o pretexto para um novo levantamento popular. O famoso general e político decidiu deslocar-se ao Monte do Templo, lugar que é sagrado para os judeus, mas que hoje é mais conhecido como a esplanada das mesquitas, com particular destaque para a mesquita de Al Aqsa, o terceiro lugar sagrado dos muçulmanos. Sharon fez essa visita num estilo que estes consideraram provocatório, o que incendiou os seus ânimos em Israel e em todo o mundo. Foi o começo da segunda Intifada.       

Esta assumiu contornos mais graves, porque acabou por degenerar num conflito militar que terminou, mais uma vez, sem vencedores ou vencidos declarados. A partir daí, a situação no terreno acalmou, mas os palestinianos foram alcançando êxitos políticos significativos, sobretudo a nível internacional, com especial incidência na ONU, onde a Palestina acabou por conseguir um estatuto muito próximo daquele que se atribui a um estado.

Ora, este cenário de paz podre acaba por ser posto em causa por notícias que apontam para o início de um novo levantamento popular, em que os palestinianos, embora utilizando ainda como arma o lançamento de pedras, recorrem agora a outros meios, como facas punhais e…carros. De momento, ninguém pode imaginar ainda como poderá terminar esta terceira “intifada”.

 

Data de introdução: 2015-11-05



















editorial

Confiança e resiliência

(...) Além disso, há um Estado que muito exige das Instituições e facilmente se demite das suas obrigações. Um Estado Social não pode transferir responsabilidades para as Instituições e lavar as mãos quanto...

Não há inqueritos válidos.

opinião

José Leirião

A necessidade de um salário mínimo decente
Os salários, incluindo os salários mínimos são um elemento muito importante da economia social de mercado praticada na União Europeia. Importantes disparidades permanecem...

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Muitos milhões de euros a caminho
O País tem andado a ouvir todo um conjunto de ideias com vista a serem aproveitados os muitos milhões de euros provenientes da Europa. Sobre o que é preciso fazer as coisas parecem...