CHAMA DA SOLIDARIEDADE

Símbolo do coração das IPSS em Vila Viçosa

Saiu na segunda-feira (dia 7) do Porto, rumou ao distrito de Portalegre, nomeadamente Belver, Fortios, Portalegre e Sousel, entrando, então, no distrito de Évora, com a passagem de distrito da Chama da Solidariedade a acontecer no Centro Social e Paroquial de S. Bento do Cortiço.

Daí, a tocha solidária, já com Vila Viçosa como destino, deteve-se a manhã em Estremoz, onde decorreu uma manhã de animação no Teatro Municipal.

Em Vila Viçosa, uma sessão solene, no Salão Nobre dos Paços de Concelho, assinalou a passagem da Chama da Solidariedade, que contou com a presença de Agostinho Branquinho, secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social, e ainda do presidente da CNIS, padre Lino Maia, da diretora do Centro Distrital da Segurança Social de Évora, Sónia Ramos, e, obviamente, do edil de Vila Viçosa, Manuel Condenado.

Tiago Abalroado, presidente da UDIPSS Évora, começou por dizer que “é com grande orgulho que a União Distrital de Évora recebe a Chama da Solidariedade”, lembrando que esta “representa o coração e o trabalho que as instituições fazem todos os dias”.

Por seu turno, o padre Lino Maia, depois de retratar o trabalho importante das IPSS nos últimos anos, destacou “o desafio que se coloca a todos: Os problemas deixam de o ser quando cada um faz o que pode e o que deve”, sublinhando que “a Chama simboliza isso mesmo”.

Já Agostinho Branquinho destacou o “simbolismo” da tocha solidária, afirmando mesmo que, “na sociedade portuguesa, o que há de melhor são as instituições sociais”.

A Chama da Solidariedade pernoita no Seminário de São José, em Vila Viçosa, seguindo pela manhã desta sexta-feira pelo Alandroal e Redondo antes de se fixar em Évora, onde no sábado decorrerá a Festa da Solidariedade, a partir das 10h00.

 

Data de introdução: 2015-09-10



















editorial

OLHARES DEPOIS DA TRAGÉDIA

(...) E esta tragédia irrompeu abruptamente num país que parecia estar a despertar para uma esperança consolidada num futuro melhor... Agora, mais do que ficar paralisado com medo do que ainda estará para vir ou de levantar dedos acusadores, importa...

Não há inqueritos válidos.

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

A política e a queda dos heróis
A política é uma área propícia ao nascimento ou à fabricação de “heróis”, mas nunca se sabe quanto tempo esse estatuto poderá...

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

Fundamento da Comunidade Política
Nunca terá passado pela cabeça de ninguém e, sobretudo do Governo e da Comunidade Política, que um incêndio, como o de Pedrógão Grande, pudesse abalar os...