CHAMA DA SOLIDARIEDADE

Marcha solidária sai do Porto rumo a Évora

A Casa de Jesus, Maria e José do Monte Pedral, no Porto, acolheu a cerimónia de partida da Chama da Solidariedade rumo ao Alentejo, onde dia 12 se realizará a Festa da Solidariedade, em Évora.

Perante uma plateia composta por personalidades da cidade, membros do governo e Instituto da Segurança Social, dirigentes da CNIS, muitos utentes da instituição da Invicta, dos mais pequenos aos mais velhos, mas também por muitos responsáveis de diversas IPSS do distrito, o presidente da UDIPSS Porto foi o primeiro a tomar da palavra para dizer que “foi bom que a Chama tivesse passado e permanecido no Porto”, pois “a cidade tem feito da solidariedade uma prática efetiva.

Para o padre José Baptista, “a Chama representa a coragem para continuar a fazer mais e melhor e fala do que se foi fazendo e bem, embora muita gente ache que não é assim, mas fala também do muito que ainda há por fazer”. A rematar, o líder da UDIPSS Porto clamou que “a solidariedade não é uma esmola social”.

Por seu turno, João Dias, presidente adjunto da CNIS, sublinhou que “a Chama tem a particularidade de tocar muitas pessoas e chama pelo envolvimento de todos”, afirmando que “não é um evento muito mediático, mas toca muita gente” e “mostra o quanto de bom se faz por este País fora e é capaz de identificar necessidades e expectativas”.

Manuel Pizarro, vereador da Habitação e Ação Social da Câmara Municipal do Porto, elogiou o trabalho da instituição que acolheu a cerimónia, encómio que estendeu às demais IPSS espalhadas pelo País, congratulando-se com a presença da Chama no Porto, que há um ano também recebeu no Palácio de Cristal.

A fechar a parte protocolar, o secretário de Estado da Segurança Social quis destacar, no “início de mais um percurso da Chama, agora até Évora”, “o espírito solidário das instituições sociais portuguesas cujo papel é fundamental no apoio aos mais desfavorecidos e, portanto, para a coesão social”.

Para Agostinho Branquinho, “na crise que o País atravessou, as instituições foram o alicerce fundamental para atenuar as dificuldades da população”, terminando “a felicitar a CNIS por mais esta iniciativa”.

A Chama da Solidariedade rumou de seguida até Belver, iniciando aí o seu périplo solidário pelos distritos de Portalegre e Évora, com o objetivo de, sábado, iluminar a Festa da Solidariedade, na Praça do Giraldo, bem no coração da cidade eborense.

 

Data de introdução: 2015-09-07



















editorial

Gestão de negócio e Desenvolvimento Local

No entender da CNIS, seria possível, e desejável, aproveitar a rede capilar de Instituições de Solidariedade para assegurar, com financiamento próprio, a manutenção de alguns desses bens e serviços de interesse...

inquérito

O Orçamento de Estado para 2018 é favorável ou prejudicial ao funcionamento das IPSS?

opinião

PADRE JOSÉ MAIA

"Ó Pátria sente-se a voz..."
O nobre povo, que somos nós, após anos de troika e duras medidas de austeridade, começava a celebrar boas notícias de milhares de novos empregos que se têm criado, de...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Uma promessa esquecida
No passado dia um de Outubro, realizou-se o referendo sobre a independência da Catalunha. A consulta, que provocou uma grande expectativa mediática, traduziu-se num resultado...