PADRE JOSÉ MAIA

Sopram ventos de mudança?

Desde a vinda da troika e com o início do ciclo de austeridade e empobrecimento em que o país se tem visto mergulhado para conseguir equilibrar as finanças públicas, Portugal entrou numa grave crise económica e social que está a conduzir milhões de cidadãos para situações de verdadeira negação dos seus mais elementares direitos sociais.

Por mais que tentemos compreender a dolorosa austeridade que nos tem sido imposta, não podemos deixar de denunciar o calvário de empobrecimento coletivo, que atinge pais e filhos, uma sensação de angústia pela falta de empregos, uma onda de compreensível revolta pela forma desumana como demasiada gente, sobretudo crianças e idosos, se vê (des)atendida nos seus mais elementares direitos de cidadania, sobretudo no domínio do acesso a cuidados de saúde e proteção social, enquanto o poder financeiro continua a locupletar-se impunemente à custa de pequenas poupanças dos pobres!

Estamos já envolvidos em campanhas eleitorais. Não deixemos que os candidatos ao Governo e à Presidência da República reduzam o debate político às questões de economia e finanças!

Na revolução de abril falaram-nos de 3D: descolonização, democracia, Desenvolvimento.

Chamemos a debate o projeto de DESENVOLVIMENTO HUMANO E SOCIAL que cada candidato defende nos seus programas eleitorais!

 

Pe. José Maia 

 

Data de introdução: 2015-05-07



















editorial

Compromisso de Cooperação

As quatro organizações representativas do Sector  (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS) coordenaram-se entre si. Viram, ouviram e respeitaram. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. DA SILVA PENEDA

Regionalização
O tema regionalização mexe com interesses. Por isso, não é pacífico. Do que se trata é de construir uma forma diferente de distribuição de poder e,...

opinião

ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA

Primaveras que nunca chegaram
Morreu não há muito, em pleno tribunal onde iria ser julgado pela segunda vez, aquele que foi presidente egípcio entre 2012 e 2014, altura em foi deposto por um golpe militar...